sexta-feira, 26 de julho de 2013

Pequena ajuda

Ela era tão gorda que mal conseguia andar.
Muitas pessoas maldosas a matariam, sem motivo algum além do fato dela ser gorda e feia. Mas eu parei, estática, assim que a vi.
E a ajudei a atravessar a rua, até um canto seguro. Não sem certa dificuldade. Mais tarde, fiquei pensando se não teria sido melhor deixá-la em outro lugar. Mas achei importante respeitar a vontade dela.
-Não quero que se ofenda, mas está na hora de parar de comer tanto, dona.
Sim, eu disse isso. E ela não pareceu se ofender. Despedi-me com um sorriso.
Ela vai virar uma borboleta linda.

Nenhum comentário: